No Parazão, Papão terá pela frente o São Francisco, um dos times de pior campanha

O meia Thiago Primão atuou nos 90 minutos na última partida e quer assegurar o seu lugar no time titular (Foto: Jorge Luiz Totti/Paysandu)

Líder isolado na contagem geral de pontos do Parazão, o Paysandu, que soma 14 pontos no Grupo A2, colocará sua privilegiada posição em jogo no domingo (10), diante do São Francisco, em Santarém, pela sétima rodada da competição estadual. O adversário, pelo retrospecto que exibe, não é, teoricamente, nenhuma “carne de cabeça”, como se diz, visto que ocupa a lanterna do Grupo A1, com apenas quatro pontos. E não é só. No jogo de estreia das equipes no campeonato, o Papão não tomou conhecimento do Leão santareno, aplicando 4 a 1 na Curuzu. Tudo isso, porém, não está sendo levado em conta pelos bicolores.

Na Curuzu, a ordem é encarar o próximo adversário, às 18h, no estádio Barbalhão, sem dar chance ao azar. O técnico João Brigatti e seus comandados não abrem mão de retornar da Pérola do Tapajós com a liderança do Estadual assegurada. Eles sabem que qualquer descuido poderá ser fatal para o time não só perder a ponta da tabela de classificação, mas até mesmo a classificação às semifinais da disputa. A equipe listrada é perseguida de perto pelo Independente, que soma apenas um ponto a menos (13) no grupo e outros três (11) pelo Paragominas.

De acordo com o meio-campista Thiago Primão, o grupo bicolor procurou aproveitar bem o período de preparação para a retomada ao campeonato a fim de não ser surpreendido pelo Leão santareno. “Nessas duas semanas de treinos, crescemos bastante na parte física, além das questões táticas e técnicas também”, afirmou. “Tudo foi feito para que a equipe tenha uma evolução ainda maior no próximo jogo”, declarou. “Com toda a certeza garra não vai faltar”.

Embora nunca tenha atuado no Barbalhão, o meia disse ter recebido as melhores referências sobre o gramado do estádio santareno, o que, segundo ele, poderá fazer diferença. “Assim dá pra gente jogar o melhor do nosso futebol. Isso vai qualificar ainda mais o nosso toque de bola. Tenho certeza que vamos fazer um bom jogo lá”, previu o meia.

Primão ressaltou as dificuldades encontradas pelo time em alguns gramados locais até mesmo nos treinamentos do grupo. “A gente vem pegando alguns campos ruins, mas mesmo assim temos tentado dar o nosso melhor. Agora não vamos ter desculpa do campo. Até nos treinos os campos não são dos melhores”, comentou o jogador, que se disse satisfeito pelo desempenho que teve no empate, sem gols, diante do Bragantino, quando conseguiu jogar toda a partida. “Eu vinha há quase cinco meses sem jogar 90 minutos e, contra o Bragantino, consegui ajudar minha equipe”, finalizou.

DOL
06/03/2019

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.